Grafites criados com a força das árvores para representar o poder da mulher negra

Um artista brasileiro ganhou o mundo com obras que misturam urbanismo, natureza e representatividade negra. Fábio Gomes Trindade ficou conhecido (e muito) por suas artes nos muros de Trindade, cidade próxima à capital Goiana.

Sua arte de rua, que exibe retratos de mulheres e crianças, usando copas de árvores e arbustos como seus belos cabelos crespos. Um deles é baseado em uma foto da modelo Egypt Sarai, dos Estados Unidos. Na imagem, ela aparece com seus cabelos preenchidos pelas flores da árvore Primavera (ou Bougainvillea)

Mural de artista goiano faz sucesso internacional ao mesclar arte e  natureza - Revista Glamour | Must Share

São Paulo ganha mural feito com tinta que ajuda a limpar o ar como 750 árvores. As obras não passam despercebidas nem por quem passa pela Rua 6, no Conjunto Arco Íris, onde fica seu mural mais conhecido, nem por quem se depara com as criações pela internet. Seu trabalho foi compartilhado e curtido por personalidades negras como Viola Davis e Cardi B.

Assim, o trabalho de Fábio ultrapassou rapidamente as redes sociais em todo o Brasil e agora está se espalhando por todo o mundo.

As obras de Fabio podem ser vistas também na galeria em céu aberto localizada na Rua Belas Artes de Trindade, na Rua 202, setor Sol Dourado.

Ela cria grafites usando a força das árvores para representar o poder da  mulher negra | Hypeness – Inovação e criatividade para todos.

Artigo original: https://www.hypeness.com.br/2021/09/ela-cria-grafites-usando-a-forca-das-arvores-para-representar-o-poder-da-mulher-negra/

Relatório de Sustentabilidade – Setembro 2021

Onda lovers, a edição de setembro foi dedicada ao assunto que merece nossa prioridade: a saúde! Clique aqui e confira o depoimento de dois renomados profissionais da área de medicina e psicologia a convite da Onda. Precisamos organizar o nosso planeta, nossa casa e nossa mente. Isso é sustentabilidade!

Além disso, mergulhe no esporte com os surfistas Noah e Lukinhas. A conexão com a natureza nos aproxima ainda mais dela. Por isso, vem aí um spoiler: vamos compensar as emissões de gases em 2020 medidas com base no Inventário de Gases de Efeito Estufa. Fique ligado!

Para os pais e mães de pet: temos uma nova parceria com o portal de notícias Meio Sustentável com dados alarmantes sobre a saúde dos nossos bichinhos!

Por fim, mas o que já era esperado: o sabão em barra Mundo + Limpo é sucesso! Nossos clientes amaram a eficiência tanto quanto a história desse produto. Limpar assim fica muito mais gostoso…

Por hoje é só, e até mês que vem (comemorando o aniversário da Onda!!!) 🙂

Refugiados climáticos: 17 milhões de pessoas na América Latina poderão ser forçadas a migrarem até 2050

Relatório do Banco Mundial alerta que, ao todo, 216 milhões de pessoas poderão ter que deixar suas regiões por causa das alterações do clima.

O Banco Mundial publicou um alerta preocupante sobre os efeitos das mudanças climáticas na vida dos seres humanos já para os próximos anos: 216 milhões de pessoas em seis regiões do mundo, incluindo a América Latina, poderão ser forçadas a se mudarem de seus países até 2050 para fugirem de eventos climáticos adversos.

De acordo com o relatório “Groundswell”, publicado no dia 13 deste mês pelo Banco Mundial, as pessoas serão forçadas a se mudarem das suas regiões por causa, principalmente, de:

  • Escassez de água
  • Diminuição da produtividade no campo como um todo
  • Temperaturas muito elevadas (estresse térmico)
  • Aumento do nível do mar, o que levará a perda de terras
  • Eventos climáticos extremos, como tempestades

A região mais afetada deverá ser a África Subsaarinana, concentrando quase 40% dos migrantes climáticos (86 milhões) das próximas três décadas. Na sequência aparece o Leste Asiático e Pacífico, com 22,6% (49 milhões) das futuras migrações do tipo.

A América Latina também é classificada como área de alerta, de onde deverão sair 17 milhões de migrantes climáticos até 2050, mais de 7% do total para o período. Demais populações que deverão sofrer com as alterações do clima estão no Sul da Ásia, Ásia Central, África do Norte e a Europa Oriental.

O vice-presidente de Desenvolvimento Sustentável do Banco Mundial, Juergen Voegele, aponta que os mais afetados pelas mudanças climáticas já são e continuarão sendo os mais pobres do mundo, justamente “aqueles que menos contribuem para suas causas”.

Porém, ele lembra que os efeitos do aquecimento global são sentidos por todos.

“Os impactos das mudanças climáticas são cada vez mais visíveis. Acabamos de viver a década mais quente já registrada e estamos vendo eventos climáticos extremos em todo o mundo, com mudanças no clima da Terra ocorrendo em todas as regiões”, diz Voegele.

O Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas também apontou a América Latina como área de preocupação para as mudanças climáticas nas próximas décadas. Entre as projeções para a América do Sul estão:

  • Crescimento na duração das secas no Nordeste brasileiro;
  • Redução nas chuvas no Nordeste da América do Sul (Nordeste do Brasil) e Sudoeste da região (Chile e sul do Peru).
  • Crescimento da seca, da aridez e/ou das queimadas no sul da Amazônia brasileira e em parte do Centro-Oeste.
  • Número de dias com temperaturas máximas superiores a 35°C na Amazônia aumentarão em, no mínimo, 60 dias por ano até o final do século (podendo passar de 150 dias em um cenário mais extremo);
  • Mudança no regime das monções no sul da Amazônia brasileira e em parte do Centro-Oeste, com atraso nas chuvas torrenciais;

Janela de oportunidade

Apesar dos alertas, o documento conclui que, caso os países em todo o mundo adotem medidas imediatas para reduzir as emissões globais dos gases de efeito estufa, apoiar o desenvolvimento sustentável e restaurar seus ecossistemas, os fatores que impulsionam a migração climática poderão ser reduzidos em até 80%. Ou seja, a migração climática poderá ser reduzida para 44 milhões de pessoas em 2050.

Autor: Laís Modelli, G1

Para acessar o artigo original, clique: https://g1.globo.com/natureza/noticia/2021/09/13/refugiados-climaticos-17-milhoes-de-pessoas-na-america-latina-poderao-ser-forcadas-a-migrarem-ate-2050.ghtml

A ONDA É SER B. UMA EMPRESA B.

Estamos muito felizes em compartilhar essa novidade maravilhosa com vocês. A Onda Eco agora é certificada como uma Empresa B após uma avaliação rigorosa e detalhada feita pelo Sistema B que considera os impactos positivos e sustentáveis em diversas áreas: governança, meio ambiente, comunidade, clientes, trabalhadores e modelo de negócios. Usamos a força do mercado para dar soluções concretas aos problemas sociais e ambientais.

A pontuação mínima para a certificação é de 80 pontos e de máxima é 200, sendo 94.6 da Onda. Assumimos o desafio de melhorar constantemente, independente de nossa área de atuação e tamanho. Isso nos torna parte de um movimento global feito de empresas dispostas a transformar o futuro e a construir uma nova economia. uma economia pensada para o futuro, para a natureza e para as pessoas. Agora, a Onda é uma das 4000 empresas de 70 países, e uma das 200 empresas do Brasil que são melhores PARA o mundo.

O processo de certificação é uma declaração de que estamos dispostos a medir e gerenciar nossa empresa para além dos aspectos financeiros, sendo guiada por propósito, responsabilidade e transparência. Redefinimos o significado de sucesso olhando para a natureza e para as pessoas e declaramos um compromisso de aumentar nosso impacto positivo, passando por um novo processo de certificação daqui a três anos.

Você também faz parte desse movimento. Juntos somos a mudança. Juntos somos B.

Atualização da Política de Privacidade

A Política de Privacidade foi criada de modo que venha a demonstrar o compromisso da empresa com a segurança e a privacidade das informações coletadas dos usuários do site. As informações coletadas nos auxiliam a sempre melhorar o site e enriquecer a experiência de navegação dos Usuários.

Temos o objetivo explicar aos usuários como seus dados e informações são tratados, armazenados e utilizados em nosso site. As informações dos usuários não serão fornecidas, publicadas ou comercializadas em quaisquer circunstâncias, exceto conforme previsto nesta Política de Privacidade.

Esta Política de Privacidade complementa os Termos e Condições do Site e quaisquer outros termos aplicáveis aos serviços da Onda Eco.

Política de Diversidade e Inclusão – Onda Eco

Diversidade e Inclusão: novo documento Onda indica tolerância zero com o preconceito.
Criamos e desenvolvemos a nossa Política para apresentar as diretrizes que representam o comprometimento da Onda Eco com a diversidade e inclusão de todas as pessoas. Nela, abordamos temas relevantes como a desigualdade de gênero e social, além de indicar atitudes que cada colaborador, fornecedor, estagiário e stakeholder da Onda deve adotar para evitar situações de preconceito. O objetivo é garantir um ambiente que proporcione desenvolvimento profissional e pessoal, assim como impulsionar um crescimento mútuo.
“Assim como a ética e a sustentabilidade, o respeito e o amor são valorizados e guiam os princípios internos da empresa”

Relatório de Sustentabilidade Onda Eco – Julho

O oceano irá conter mais plásticos do que peixes até 2050, se continuarmos com o ritmo de produção e consumo que temos hoje. Nós da ONDA queremos fazer a diferença e transformar essa realidade. Por isso, dedicamos essa edição do nosso Relatório de Sustentabilidade ao movimento “Julho Sem Plástico”. Gostaríamos de te convidar para fazer parte da mudança. Nós já colocamos em prática muitas iniciativas e queremos poder fazer mais pelo meio ambiente todos os dias. Essa é a nossa missão.

Tóquio 2020/2021 – As Olimpíadas da Sustentabilidade

As Olimpíadas e Paralimpíadas Tóquio 2020 terão como conceito: “Seja melhor, juntos, para o planeta e as pessoas”. Assim, os benefícios dos jogos serão destinados não apenas aos esportistas, mas também ao meio ambiente, à sociedade e à economia.

Os jogos contarão com um Código de Compras Sustentáveis, que assegura a sustentabilidade em toda a cadeia de suprimentos, serviços e produtos licenciados. O pódio da cerimônia de premiação será impresso em 3D com plástico reciclado recolhido em lojas de varejo, escritórios e escolas, como parte de uma campanha educativa com foco no consumo responsável e reciclagem.

As medalhas serão feitas com a reciclagem de lixos eletrônicos descartados pela população japonesa. Mais de 6 milhões de telefones e quase 80 mil toneladas de aparelhos eletrônicos foram arrecadados, desmontados, fundidos e refinados para criar as variações de ouro, prata e bronze.v

A eletricidade usada nos jogos virá de fontes renováveis, como solar, biomassa e hídrica. As medidas de eficiência energética incluem a instalação apenas de luzes LED em todos os locais do evento.

O transporte de emissão zero também será usado, incluindo ônibus de célula de combustível, ônibus autônomos de bateria e empilhadeiras movidas a hidrogênio, que serão usadas para mover itens pesados ​​pelos locais olímpicos.
A tocha olímpica foi produzida com resíduos de alumínio de uma caixa temporária construída após o terremoto e tsunami de 2011. Os uniformes usados ​​pelos funcionários estão sendo feitos de poliéster derivado de garrafas recicladas.

A praça da vila olímpica está sendo construída com madeira de origem sustentável doada por autoridades locais em todo o Japão. Após os jogos, a madeira será reaproveitada como bancos públicos ou na construção de prédios públicos.

O sonho de Tóquio 2020 de ser os Jogos Olímpicos de menor emissão de todos os tempos se estende até onde os atletas dormirão: os colchões das 18 mil camas que serão utilizadas são de papelão reciclável.

Tudo isso faz parte de um esforço do Comitê Olímpico para reduzir a pegada de carbono do evento. Estima-se que os jogos do Rio de Janeiro de 2016 tenham emitido 4,5 milhões de toneladas de CO2. Os de Londres, em 2012, geraram 3,3 milhões de toneladas. Tóquio quer bater este recorde e prevê uma emissão de não mais que 2,93 milhões de toneladas de CO2.

O plano de Tóquio de fazer de 2020/2021 as “Olimpíadas verde” é um esforço do Japão pela realização dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Ao apresentar modelos e soluções para desafios globais de sustentabilidade, o anfitrião espera, cada vez mais, envolver seus cidadãos nas questões de mudança climática na expectativa de que esses esforços continuem mesmo depois dos jogos.

Outros bons exemplos para seguir

Mas não é necessário um evento dessa magnitude para trazermos a sustentabilidade ao nosso dia a dia e nem é preciso que órgãos públicos liderem iniciativas em prol dessa bandeira. Todos nós podemos iniciar um projeto que ajude a reduzir os impactos no planeta. O melhor momento para isso? Agora. Onde? Aí mesmo, onde você está neste momento. Sustentabilidade é, acima de tudo, atitude e se nós não nos conscientizarmos, não teremos um futuro sustentável.

Pensando nisso, a Braskem em parceria com a Dinâmica Ambiental criou o Programa de Reciclagem de Copos Descartáveis, que fomenta a valorização de resíduos plásticos ao longo de toda a rede produtiva, incentiva o descarte correto e orienta organizações a instituírem melhores procedimentos de logística reversa para o destino correto de copos descartáveis após o seu uso.

Esses materiais são coletados nas empresas participantes, retornam para a indústria e, com o apoio das empresas CopobrasAltacoppoUnigel e Innova, são transformados em novos produtos, fortalecendo a economia circular. Educar as pessoas a fazer o certo pelo planeta é uma responsabilidade de todos. Entre em contato agora mesmo e saiba como trazer a sua empresa para o Programa de Reciclagem de Copos Descartáveis!

FONTE: https://www.pensamentoverde.com.br/im-green/toquio-2020-2021-as-olimpiadas-da-sustentabilidade/

Slow fashion: UMA X e Onda Eco se unem em lançamento ecológico

Uma collab de respeito (ao planeta)

por Carol Vosgerau Gusi

Que a moda e a sustentabilidade estão caminhando cada vez mais juntas, todos já sabemos. Seguindo essa tendência, a UMA X, marca liderada por Vanessa Davidowicz, primogênita da fundadora e designer da marca Raquel Davidowicz, lança uma linha trazendo design apurado, com muito significado, transparência, responsabilidade e relevância.

As peças são all-gender e, o mais interessante, o tingimento é feito por meio de um processo botânico, artesanal e ecológico exclusivo, resultando em um efeito tie dye. De acordo com a marca, cada peça leva 75 horas para ser tingida. Na etapa final da confecção, mais precisamente na lavagem realizada antes das peças irem para as araras, a UMA X contou com a participação da Onda Eco, marca de produtos de limpeza com fórmulas 100% naturais, biodegradáveis, hipoalergênicas e veganas.

(Foto: divulgação)

Essas características permitem manter o pH neutro e auxiliam na conservação dos tecidos, prolongando a vida útil das roupas. Além disso, evitam a eliminação de branqueadores ópticos, hidróxido de sódio, ácido sulfônico (derivado de petróleo) e controladores de pH agressivos, potencialmente prejudiciais ao meio ambiente. A coleção também irá contar com uma embalagem pensada para proteger as peças e preservar a estampa do contato excessivo com a luz solar.

O novo drop da UMA X já está disponível no e-commerce e nas lojas UMA de São Paulo e Rio de Janeiro. E para quem já é fã dos produtos da Onda Eco como eu, todas as peças da coleção acompanham um mini lava roupas. Se você ainda não conhece, essa é uma ótima oportunidade.

(Foto: divulgação)
FECHAR
Comprar
Converse com a gente no WhatsApp